Perca calorias Com O Poder Do Cérebro

Perca calorias Com O Poder Do Cérebro


Um dia ruim no serviço, uma luta com o namorado, o trânsito infernal, a falta de dinheiro e até os números da balança que insistem em ampliar. Diante desses e incontáveis outros defeitos do cotidiano, instintivamente seu cérebro poderá direcionar você a combater o estresse com uma coisa que a fará se sentir melhor: comida! Novas pessoas reagem aos diversos desafios da vida sentindo angústia, agitação, pavor, amargura e confusão.



Os Erros Que Você Comete Ao Tentar Comer Menos Carboidrato

É o que chamo de 'comedores emocionais’, eles usam o alegria e a distração de consumir para aliviar-se e acalmar-se. A comida é usada como uma droga para combater a preocupação. O sistema límbico é a área do cérebro onde residem várias das estruturas que regulam amargura, horror, raiva e a amargura. Esta área pré-frontal é ‘defeituosa’ em várias pessoas que abusam do excesso de comida”, explica. Em entrevista exclusiva ao Delas, Georgia Andrianopoulos explica seus conceitos sobre redução de calorias.


G: Qual é a dificuldade das dietas? Georgia Andrianopoulos: Elas não são nada mais do que um "freio" (como em um carro) que usamos para desacelerar. Diversos estudos têm apresentado que as dietas não são eficientes pela gestão de peso em longo prazo. Mais de 90 por cento das pessoas que perdem peso com dieta recuperam tudo o que perderam em menos de 5 anos. G: Se as dietas atacam só os sintomas do excesso de peso, quais seriam as causas? Georgia Andrianopoulos: A raiz da gula e da obesidade reside em uma expressão chamada desequilíbrio. É o mau funcionamento dos mecanismos que geralmente nos mantêm em um peso normal. Estudos têm identificado vários destes mecanismos regulatórios que dão falso.


Um modelo fácil: comer necessita excitar a liberação de insulina, que por tua vez, precisa “desligar” o botão “comer” do teu cérebro. Porém, em alguns indivíduos os mecanismos responsáveis pela detecção de insulina perdem sua sensibilidade e não acionam o botão “desligar” para a pessoa parar de comer. Qualquer busca excessiva ou traumática pode desregular uma área do cérebro fazendo com que ele passe a funcionar de forma hiper ou hipo ativa, provocando excessos.


Essa busca pode ser representada por um enorme histórico de pavor, tensão ou irritação com o marido ou esposa, colegas de serviço ou com os altos e baixos da vida. É em vista disso que dá certo: o cérebro desencadeia um comportamento que produz alegria para contrabalançar o perigo. Por que nós escolhemos consumir em detrimento de outras atividades prazerosas como sexo e amor pra contrabalançar a amargura? Pelo motivo de ingerir é um ato acessível a cada instante, é rapidamente, barato e pode ser feito sozinho.


G: Que outros motivos conseguem conduzir uma pessoa a ingerir sem necessariamente ficar com fome? Georgia Andrianopoulos: Há muitos, no entanto queremos indicar alguns como ver de perto anúncios de comida, estar em lugares como enormes quantidades de comida, olhar os outros comendo, ter diversas opções de alimentos à insistência (self-services, tendo como exemplo) e viver emoções negativas. O mais considerável é ter consciência de que as pessoas se tornam viciadas no entusiasmo que a comida traz.


  • Dois colheres (de sopa) de castanha do pará processada
  • 1 fatia de blanquet de peru
  • Favorece pela precaução de problemas na coluna vertebral
  • Um dia de cada vez
  • Perda de peso durante aleitamento

Não há diferença alguma na química cerebral de uma pessoa que é viciada em cocaína, álcool ou comida. G: A reprogramação do cérebro ajuda a pessoa a adotar estilo de vida mais saudáveis e emagrecer? Georgia Andrianopoulos: Nos Estados unidos, nós, profissionais da saúde, temos essa ansiedade com o confronto à obesidade de imediato desde os anos 50. O defeito é que desde lá não conseguimos acudir as pessoas a seguir hábitos de vida saudáveis. Isto pelo motivo de a charada está justamente em concentrar-se na reeducação do cérebro e torná-lo mais apto, dado que desse jeito fica mais fácil fazer com que as pessoas sigam alternativas saudáveis e percam peso.


Em vez de focar em dietas e alimentação, nosso intuito é o cérebro. Nós devemos conceder o que ele necessita pra se tornar mais potente e reduzir o teu desejo de comer demais (na realidade, ele se equilibra de forma a combater todos os excessos em qualquer área da vida). G: Que algumas descobertas a senhora tem feito sobre isso obesidade?


Uma preocupação que tem sido questão dos meus estudos são as evidências de que os alimentos que causam obesidade em mães bem como acabam desregulando os cérebros das criancinhas que estão por nascer. Estas meninas nascem prontamente com uma propensão ao desejo por alimentos gordurosos e doces. Outros trabalhos apontam que há uma conexão entre excedente de peso e função cognitiva ou intelecto. Quanto mais obeso o cidadão, pequeno o funcionamento cognitivo.


Como Dá certo, Cardápio E Dicas

Na dieta mediterrânea, a alimentação é mais natural. Evita-se comidas industrializadas, colocando em seus lugares os alimentos naturais e frescos. Como foi dito, os alimentos naturais e frescos são importantes para que haja uma evolução pela saúde. Frutas, legumes e verduras são de extrema importancia pra que a dieta funcione. Pela dieta, é preferível que caso não sejam consumidos crus, os legumes devem ser preparados no vapor, para que não haja perda de nutrientes.



Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *